A cereja, bem fresca, carnuda e vermelhinha, aos pares ou sozinha, traz o tema para a 6ª edição do projecto Sweet World. Mas não vem só. Vem antes na melhor das companhias. 
Quando se pensa em doces de mundo famosos e se fala neste fruto tão bonito e amado, o que nos ocorre de imediato? O Black Florest Cake, ou Bolo Floresta Negra, obviamente. 

Um dos mais famosos bolos de chocolate do mundo, de origem alemã (ainda que existam alguns rumores que possa ter vindo da Suiça) e de seu verdadeiro nome Schwarzwälder Kirschtorte, que significa “bolo de cereja floresta negra”mostra-se perfeito para celebrar um dos grandes frutos desta época, resgatando o chocolate que já vai fazendo falta no desafio.
Nesta perfeita conjugação encontramos um bolo de massa de cacau que deverá ser envolvido em Kirschwasser, um licor de cereja negra, estruturado em camadas, recheado com chantili e cerejas, coberto igualmente com chantili e decorado com raspas de chocolate e cerejas.
Ainda que em alguns países a apropriação desta iguaria faça com que não inclua o kirsch, na Alemanha só é comercializado com o seu nome original se incluir esta bebida alcoólica. É portanto um elemento essencial à manutenção da natureza original do doce. Diz a tradição que o licor se assuma perfeitamente e o seu toque espirituoso se faça sentir devidamente quando saboreamos o bolo. Não se mostra, de todo, uma sobremesa indicada para crianças.
Lê-se que a inspiração para o seu nome veio das misteriosas florestas do sudoeste alemão, assim como também se lê que os seus ingredientes surgiram inspirados pelas cores e formas dos trajes tradicionais das mulheres solteiras.
O que é certo é que independentemente das suas fontes de inspiração, o chocolate, o chantili, o licor e as cerejas, originam uma formula quase mágica que faz sucesso em todo o mundo, materializando um dos bolos mais conceituados de sempre.
Ainda que sem confirmação oficial acredita-se que esta iguaria tenha sido inventada em 1915 pelas mãos do pasteleiro Josef Keller. 

Não sendo o tema mais inovador no contexto deste nosso desafio, na medida em que, mesmo quem nunca o fez seguramente já ouvir falar dele, não deixa de ser com toda certeza igualmente desafiante, se o encararmos e quisermos executar de forma fiel à sua essência. E só respeitando alguns pontos chaves se mostra possível executa-lo e prova-lo sabendo que é suposto parecer e saber daquela exacta maneira. Aqui reside o objectivo central do desafio.


É efectivamente um bolo fácil de executar, sem grandes truques ou segredos. A massa deverá ficar fôfa, bem parecida com pão de ló de chocolate, que será depois humedecida pelo licor. O recheio e cobertura são em chantili com as cerejas a dar aquele toque especial. As raspas de chocolate conferem o duplo efeito, crocante e decorativo, que tão bem finaliza a composição.
Confesso que adoro vê-los naked mas neste caso a cobertura foi total como manda a tradição. Apenas fugi ao preenchimento das laterais do bolo com raspa de chocolate, como originalmente deve ser.
Verificando em mais do que uma fonte que apenas a camada inferior de recheio levava cereja, ainda que a maioria das versões a inclua em todas as camadas, optei por fazer desta forma.

Não é nem é suposto ser um bolo muito doce, mas antes, uma iguaria de sabores intensos e forte personalidade, com o aroma do licor em grande destaque, com bastante frescura conferida pelas natas e um toque frutado ácido que só as cerejas podem garantir.
É, peremptoriamente, um bolo para adultos que não se importam de ficar ligeiramente tontos depois de alimentarem a alma com duas ou três fatias desta maravilha (dizem os alemães). 
Para animar os serões de Verão que estão aí à porta, quem se atreve? 

Se aceitam o desafio e se querem juntar a nós na execução do clássico Floresta Negra, basta seguirem as seguintes regras:
  • Tem até ao dia 20 de Julho para nos apresentarem o vosso Black Florest Cake, deixando aqui neste post o link da vossa participação;
  • Só participações enviadas até este dia serão consideradas; 
  • Neste mesmo dia, 20 de Julho, será publicado no blog da Lia o tema da próxima edição;
  • round up desta 6ª edição será publicado aqui no blog no dia 25 de Julho.

Vamos lá e Guten Appetit!








































































BLACK FLOREST CAKE (Bolo Floresta Negra)
Ingredientes
(10-12 fatias)

|Massa (adaptada daqui)
5 ovos médios
100 gr de açúcar
1 colher (sobremesa) de extracto de baunilha
40 gr de cacau
100 gr de farinha (sem fermento)
1 colher (café) de fermento
25 gr de amido de milho
1 pitadinha de canela

|Recheio, Cobertura e Decoração
200-250 gr de cerejas frescas
75 ml de Kirsch (usei Ginginha)
600 ml de natas para bater (colocar no congelador 10 minutos antes de bater)
150 gr de açúcar em pó
120 gr de chocolate para culinária (70% cacau)

Preparação

Começar por descaroçar as cerejas (reservando algumas inteiras para a decoração), envolve-las no licor e deixa-las a macerar durante a noite.
Pré-aquecer o forno a 180ºC. Untar duas forma de 20 cm de diâmetro com manteiga, forrar o fundo com um disco de papel vegetal e voltar a untar. Reservar.
Levar os ovos a bater com o açúcar e o extracto de baunilha cerca de 5 minutos até a massa fica esbranquiçada e bem fôfa.
Peneirar os secos – farinha, amido de milho, cacau, fermento e canela – para um recipiente.
Aos poucos ir juntando ao preparado anterior, envolvendo delicadamente até terminar.
Verter metade do preparado em cada forma e levar ao lume cerca de 20-25 minutos até a massa estar cozida e firme. Retirar do lume, deixar arrefecer e desenformar. (não é suposto crescer muito).
Quando a massa estiver fria cortar em dois discos iguais, fazendo quatro elementos de massa.
Bater as natas até estarem bem firmes e adicionar de seguido o açúcar em pó batendo um pouco mais.
Para as lascas de chocolate, partir o chocolate em pedaços pequenos e levar a derreter em banho maria. Quando estiver perfeitamente liquido, espalhar sobre uma folha de papel vegetal e com a ajuda de uma espátula espalha-lo bem, enrolando de seguida a folha, formando um canudo. Levar ao frio e quando estiver completamente duro abrir a folha. O chocolate vai-se partindo em pedaços de várias formas e tamanhos. Usar a gosto. 

Montagem: colocar o primeiro disco de massa no prato de servir, pincelar generosamente com o licor de cerejas, barrar com uma boa generosa de chantili e espalhar as cerejas maceradas por cima. Colocar o segundo disco,voltar a pincelar bem com licor e espalhar chantili. Repetir até ao último disco de bolo. Para terminar barrar o bolo todo – laterais e topo – com chantili. Decorar a gosto com lascas e/ou raspas de chocolate e cerejas.
Conservar no frio e servir fresco.

Nota: pesquisei e analisei várias receitas, chegando a esta versão ligeiramente simplificada, mas conservando os ingredientes essenciais e pontos chaves do doce original.
Nota_1: achei a massa um pouco seca e senti que devia ter usado mais licor para a humedecer. Por um lado melhorava a sua textura, por outro conferia-lhe o sabor à bebida que é suposto ser bem pronunciado. Portanto, não tenham medo de encharcar bem a massa.
Nota_2: considerando o papel do chantili neste bolo é essencial que as natas estejam mesmo firmes antes de aplicar. Não esquecer de as colocar no congelador 10 minutos antes de bater e usar uma marca que não falhe (para este efeito, por aqui é sempre Agros).